Sunday, July 23, 2006

Para Lia

O que prescinde da memória
Como a poesia, primeira aos poetas
O que não cabe no brete cósmico ou
Na doida bitola do Absoluto
O que é enquanto muda e abre
Enquanto desencaixa de sufixos e prefixos
Descasca-se sua própria semente em fruta
Desencabula razões e raízes
Desexplica-se
O que mergulha, flutua
Se arrasta e queima
A tarde inteira
E sorri quando a noite chega
Isso é tudo o que é.

Encerrando o assunto

É meu último post sobre a situação no Oriente Médio e espero não mudar de idéia mesmo se me sentir tentado. Não há muito mais o que dizer ou mostrar aqui. Noam Chomsky, Saramago, Harold Pinter e John Berger foram insuperáveis em sua manifestação sobre o assunto (texto disponível na Palestina do Espetáculo Triunfante e no RS Urgente).Deixo então aqui gravado o que para mim é fundamental:

1) Israel faz uso de terrorismo de estado sob o olhar de todos nós para inviabilizar uma nação palestina e, com este fim, usa variados pretextos.
2) Seus líderes devem ser responsabilizados e penalizados pelo genocídio de centenas de civis inocentes e indefesos de várias idades e nacionalidades.
3) Os aliados de Israel, principalmente os EUA, são co-responsáveis pelo que está havendo e terão responsabilidade na reparação possível dos danos humanos e materiais.
4) Ou a ONU enfrenta dignamente esta situação ou estará condenada definitivamente como instituição que pode dar conta de conflitos internacionais, o que seria gravíssimo.
5) Movimentos terroristas que vitimizam civis ultrapassam os limites do que pode se chamar de resistência e devem ser julgados e punidos pelos seus atos.
6) Deve haver ampla liberdade de crítica aos atos de Israel sem receio de estas críticas sejam interpretadas como "anti-semitismo" pelo simples fato de que Israel deve ser tratado como o que é, ou seja, um estado nacional e não um pobre agrupamento de eternas vítimas da história. Os critérios definidores de algozes e vítimas são principalmente atos e acontecimentos e não apenas conceitos políticos e interpretações históricas, por mais relevantes que sejam.

Wednesday, July 19, 2006

A Ética Do Mal Necessário


O fato de terroristas impregnados de fanatismo religioso pretenderem eliminar sumariamente seus adversários é terrível. Este é o tipo de gente que não suporta a diferença, a expressão da vida em outras formas. É o caso do resbolá, do nazismo, do franquismo e da Ku Klux Klan. O fato de Israel ter se tornado um estado infanticida também é terrível. Seguem, por razões um pouco diferentes, o mesmo tipo de estratégia sanguinária contra inocentes de todas as idades e nacionalidades. Contudo, o que tem me deixado mais impressionado neste momento é o apoio de alguns intelectuais e políticos liberais (no sentido americano)nos EUA a esta insânia. O amigo Renato enviou um artigo nauseante sobre os motivos de Israel para os cometer ataques e sobre como "não há outro jeito". COMO NÃO HÁ ??? Talvez não haja outra forma de agir para terroristas como aqueles do 11 de semtembro, ou para os comandos SS de Hitler, mas para uma nação dita democrática não há outro jeito de "se defender", neste momento, sem matar crianças?? É a ética do mal necessário, das bombas necessárias, do desespero necessário, do assassinato "seletivo" necessário, da tortura necessária, do estupro necessário, dos campos de concentração necessários, da solução final necessária... E "bomba neles" como disse o verme moral Mainardi.
Sinto-me realmente enojado dessa gente que, na falta alma, entranhas, neurônios para enfrentar e pensar este conflito, se antecipa em justificar o mal absoluto com tanta rapidez e presteza.

Sunday, July 16, 2006

Jung revigorado


Até o fim deste mês deve ser lançada em português o primeiro de dois volumes da nova biografia de Jung, escrita pela americana Deirdre Bair, responsável por elogiadas obras sobre Beckett, Anaïs Nin e Simone de Beauvoir. A novidade deste trabalho, com relação aos anteriores sobre Jung foi o acesso a arquivos inéditos e a possibilidade de escrever um texto independente das pressões de familiares e dos seguidores do psiquiatra suíço. A autora parece ter conseguido, segundo as primeiras informações e críticas favoráveis(inclusive do rigoroso Peter Gay), "limpar o terreno", ou seja, ser objetiva no meio do tiroteio histórico dos opositores de Jung, que ainda hoje se valem do ressentimento de Freud contra o ex-"príncipe herdeiro da psicanálise" e das acusações de ser simpatizante do nazismo durante a segunda-guerra. Com relação a este último ponto, ela descobriu que, pelo contrário, Jung foi agente aliado que colaborou para a derrota do terceiro reich. Bair também não escreveu uma obra de celebração ou culto, o que talvez não agrade a alguns "junguianos" mais bitolados. O fato é que a abordagem teórica e clínica de Jung é original, singular e riquíssima e não vale a pena desconhecê-la.

Thursday, July 13, 2006

os terroristas mais perigosos são os mais bem armados

Duas crianças brasileiras menores de 10 anos e seus pais foram assassinados nos últimos ataques israelenses ao Líbano. No total, cerca de 50 civis foram mortos.
Os terroristas mais bem armados são aqueles a quem devemos temer mais e, neste quesito, Israel, com seu exército e seus caças supersônicos, ganha disparado. Quem se preocupa com o terrorismo, além das figuras bizarras de sempre, deve se preocupar com Israel.